Lucinha estava em Campo Grande e foi obrigada a dirigir o carro da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que usa, até a Vila Kennedy. Parlamentar ficou ao menos 10 minutos com os bandidos que fugiam. Deputada Lucinha (PSD-RJ) é levada por bandidos em fuga no Rio
Durante a tarde deste domingo (1), equipes da Polícia Civil refizeram o possível trajeto que a deputada estadual Lúcia Helena Pinto de Barros, a Lucinha (PSD-RJ), fez em um carro da Assembleia Legislativa do RJ (Alerj) ao lado de pelo menos três bandidos armados de fuzis que entraram em seu sítio, em Campo Grande, na Zona Oeste, no final da manhã.
Segundo as polícias Militar e Civil, os criminosos estavam fugindo da Comunidade Viegas, em Senador Camará, e obrigarem que a parlamentar dirigisse até a Vila Kennedy, em Bangu.
Enquanto os agentes da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco-EI) refaziam o trajeto, policiais da 35ª DP (Campo Grande) foram até a casa de Lucinha e colheram o depoimento de Lucinha.
Além disso, papiloscopistas do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) fizeram uma perícia no carro da Alerj em busca de impressões digitais dos criminosos.
Lucinha ficou pelo menos 10 minutos com os criminosos até ser deixada na Vila Kennedy.
Perícia feita no carro da deputada
Henrique Pinho/TV Globo
Rendidos durante desmontagem de festa
O g1 apurou que três homens armados fugiam de uma comunidade conhecida Viegas e entraram em um sítio onde estava a deputada. A parlamentar estava no local para comemorar o aniversário de 63 anos, celebrado neste domingo. Mas, por causa da chuva que cai no Rio de Janeiro, a festa foi cancelada.
A deputada e sua equipe, estavam desmontando a festa quando criminosos entraram no local e abordaram todos os presentes. De acordo com as investigações, um dos seguranças de Lucinha foi reconhecido como policial militar e os bandidos chegaram a ameaçá-lo de morte.
A parlamentar conversou com os criminosos, que exigiram um carro para deixarem o local. Lucinha foi colocada no veículo e dirigiu com os bandidos até a Vila Kennedy, onde foi deixada.
Foi o policial militar que atua como segurança de Lucinha que acionou as autoridades sobre o caso. A partir daí, os PMs passaram a rastrear o veículo. Os militares encontraram o veículo e a parlamentar conseguiu sair da favela em um carro de aplicativo.
A reportagem apurou que o secretário de Polícia Militar, o coronel Luiz Henrique Marinho Pires, determinou que os PMs procurem na região os bandidos que levaram a parlamentar. Agentes do 14º BPM (Bangu) estão na Vila Kennedy em busca dos criminosos.
O caso está sendo registrado na 35ª DP (Campo Grande) e, por determinação de José Renato do Nascimento Torres, secretário de Polícia Civil, a investigação ficará a cargo da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco).
‘Está bem e em segurança’, diz assessoria
A equipe da deputada postou uma mensagem dizendo que ela foi encontrada. Em contato com o g1, a assessoria da parlamentar afirmou que ela “foi sequestrada, mas ela já está bem e em segurança”.
“Informamos a todos que a deputada Lucinha se encontra bem e em segurança. Agradecemos toda a preocupação e carinho de todos!”, afirmou a assessoria da parlamentar.
Por determinação do presidente da Alerj, o deputado Rodrigo Bacellar, uma equipe de segurança da Casa foi até a residência da parlamentar e acompanha o caso.
“O susto já passou, graças a Deus ela está super bem”, informou Bacellar.
Lucinha começou a sua carreira política na década de 80 sendo eleita vereadora pela primeira vez em 1997, pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Em 2000, ela foi reeleita. Na época, presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apurou a máfia do IPTU.
Ela exerceu mais dois mandatos como vereadora. Em 2011, ela tomou posse pela primeira vez como deputada estadual e deste então segue na Alerj.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.