Igreja dedicada aos gêmeos no Andaraí tem uma sala de relíquias e ex-votos em agradecimento. Padre Walter e meninos que atuam na peça sobre a vida de Cosme e Damião
Maria Eduarda Barbosa/g1
Doçura, alegria e fé: é assim que o Dia de São Cosme e São Damião costuma chegar para as crianças e devotos dos santos católicos. Nos dias 26 e 27 de setembro, é comum encontrar gente distribuindo guloseimas pelas ruas ou prestando a caridade de alguma maneira – um tributo à história de vida dos dois jovens médicos que curavam feridas de enfermos na antiguidade, sem pedir nada em troca.
Ana Paula Nunes, de 52 anos, é professora há 19 anos na Creche São Cosme e São Damião, na igreja dedicada aos santos no Andaraí, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Em 2004, ela afirma que veio para a Cidade Maravilhosa para cuidar da irmã, mas que pediu muito aos gêmeos um emprego na cidade.
“Minha carteira foi assinada em março de 2004. Quando me chamaram para trabalhar na creche… nossa, foi grandioso para mim. Acompanhava minha mãe na Igreja de São Cosme e São Damião de Igarassu, em Pernambuco, e aprendi a pedir a eles. Sou devota desde pequenininha”, relembra a professora.
Para ela, nada lhe preenche mais o coração que conversar com os visitadores da paróquia. “O que interessa mesmo é o contato e o que a gente escuta de quem vem de longe. Hoje chegou uma senhorinha aqui com caderninho e anotando o nome de todo mundo. Ela sentou e rezou por todos. A cada ano a gente vê uma história diferente”, conta Ana Paula.
Ana Paula Nunes, professora e devota de Cosme e Damião
Maria Eduarda Barbosa/g1
Padre Walter Almeida Peixoto, de 56 anos, pároco da igreja, afirma que muitos doadores distribuem doces e cestas básicas nessa época do ano. Para ele, a história dos santos concentra enorme singularidade para os católicos. “São Cosme e São Damião são mártires, entregaram a própria vida por amor a Cristo. Então se tem um significado bem importante para a gente essa festa”, expressa.
Além de atuar como professora, Ana Paula auxilia nas barraquinhas e na apresentação de projetos das professoras e dos trabalhos das crianças da creche.
Paróquia de São Cosme e São Damião do Andaraí, na Zona Norte do Rio
Maria Eduarda Barbosa/g1
Afinal, qual é a data certa da celebração?
De acordo o padre Walter, a data certa para homenagem aos santos católicos, segundo a reforma do calendário litúrgico católico, é no dia 26 de setembro. Isso se dá por conta da incerteza sobre a data da morte de Cosme e Damião.
“Depois da reforma do calendário, coincidiram as celebrações de São Vicente de Paulo junto de São Cosme e São Damião. Temos a data exata da morte de São Vicente, enquanto a data da morte de São Cosme e São Damião é presumida. Então privilegiaram São Vicente de Paulo para dia 27 de setembro e transportaram São Cosme e São Damião para 26. Aqui na paróquia a gente celebra 26 e 27, porque 26 é a data litúrgica, mas as pessoas se habituaram a celebrar sempre no dia 27. Temos a oportunidades de celebrar duas vezes”, detalha o padre.
Saquinhos de Cosme e Damião
Maria Eduarda Barbosa/g1
Histórias da Sala dos Milagres
A Sala dos Milagres reúne o histórico da paróquia desde a construção, livros com registros de milagres detalhados por devotos, objetos que os simbolizam e peças de cera representando partes do corpo curadas — ou ex-votos, como são conhecidos no mundo católico.
Helenice Maria, de 52 anos, é a coordenadora e trabalha há 12 anos no local. Conheça algumas histórias contadas por ela:
“Ano passado, uma mãe veio aqui escrever um bilhetinho para São Cosme e São Damião. Sabemos que o santo não lê, mas Deus sabe o que a gente fala e o que está sentindo no coração. Ela veio agradecer a graça alcançada: a filha dela passou para a Unirio e vai fazer medicina. A menina que passou trouxe o jaleco e deixou aqui, em agradecimento.”
“Uma família de Petrópolis esteve aqui durante a semana e trouxe uma boneca em agradecimento pela cura da depressão da filha dela, de 31 anos.”
“No início do ano, um casal veio batizar a filha de 3 anos. A menina nasceu com pouco batimento cardíaco. O médico falou para a mãe o que estava acontecendo, e ela gritou por socorro a São Cosme e São Damião. Essa bebê foi operada. A mãe veio batizar ela aqui, e sabe quem são os queridinhos da garotinha? São Cosme e São Damião.”
Helenice com alguns ex-votos aos santos
Maria Eduarda Barbosa/g1
“Quando chegam aqui na Sala dos Milagres falando: ‘Eu alcancei uma graça, o que devo doar?’, eu sugiro uma cesta básica para uma creche, uma ração para um canil, fralda geriátrica para um asilo de idosos… tem diversas formas de ajudar.”
Para Ana Paula, os irmãos médicos têm um grande valor em sua vida. Eles a ensinam, de maneira sublime, sobre humildade. “Cuidavam de todos, principalmente das crianças. Não cobravam nada por aquilo que faziam. É de uma generosidade muito grande. Isso me toca, tem muita significância”, disse.
*Estagiária, sob supervisão de Eduardo Pierre
Ex-votos na Sala dos Milagres da Paróquia de São Cosme e São Damião do Andaraí
Maria Eduarda Barbosa/g1
Placas em agradecimento a Cosme e Damião
Maria Eduarda Barbosa/g1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *