Por dois votos a um, a 7ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF) decidiu por manter as obras suspensas. Relator ressaltou falhas no processo de autorização do Iphan e irreversibilidade da obra. Tirolesa será entre os dois maiores morros do complexo do Pão de Açúcar
Alexandre Macieira/Riotur
Os desembargadores da 7ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF) decidiram, nesta quarta-feira (27), manter o embargo às obras para instalação de uma tirolesa no Pão de Açúcar.
O relator do caso ressaltou as falhas no processo de autorização do Iphan e a irreversibilidade da obra, visto que a instalação do equipamento necessita de intervenções definitivas nos morros da Urca e Pão de Açúcar, na Zona Sul do Rio.
Ambientalistas consideram a obra um atentado à paisagem, com potencial para causar danos à rocha e alteração nas vias de escalada utilizada há décadas por montanhistas.
O Parque Bondinho Pão de Açúcar, responsável pela obra, diz que “não poupará esforços para demonstrar, no curso do processo, que o projeto para a construção da tirolesa obteve todas as licenças necessárias e que foi concebido e executado sob as melhores práticas, destacando-se os cuidados em relação à preservação do meio ambiente e do patrimônio” (veja a íntegra da nota no fim da reportagem).
Obra de tirolesa no Pão de Açúcar foi analisada, mais uma vez, pela Geo Rio
A obra foi embargada pela Justiça Federal em junho, por meio de uma decisão liminar, após suspeitas de perfurações irregulares na rocha.
Caso as denúncias sobre uma suposta intervenção ilegal no local sejam confirmadas, o Pão de Açúcar pode perder o título de Patrimônio Mundial, honraria concedida pela Unesco em 2012.
De acordo com o procurador geral do Ministério Público Federal, Sérgio Suiama, a empresa responsável pela obra fez escavações na rocha que não estavam previstas no projeto inicial.
“Houve corte ilícito da rocha, um volume de 127 metros cúbicos. O Iphan ao invés de autuar, autorizou continuidade da obra (…) Há um dano a paisagem porque a área construída vai ser ampliada, apesar da empresa dizer de forma contraria, as próprias plantas mostram que haverá acréscimo de área construída, modificação na paisagem e modificação na rocha”, explicou Suiama.
A decisão pela paralisação da obra também determinou a suspensão dos efeitos da autorização dada pelo Iphan para o projeto.
Leia também:
Para 36% dos brasileiros, tirolesa do Pão de Açúcar aumentaria a chance de visitar o Rio; obra embargada passará por vistoria
Unesco avalia obra de tirolesa no Pão de Açúcar, e possíveis irregularidades podem custar o título de patrimônio mundial
Obra da tirolesa entre o Pão de Açúcar e o Morro da Urca preocupa ambientalistas 
Uma inspeção judicial no local das obras está marcada para o próximo dia 24 de outubro, quando peritos indicados pela Justiça Federal vão avaliar as denúncias apresentadas.
Representantes do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), órgão consultivo da Unesco para a implementação da Convenção do Patrimônio Mundial, também vão acompanhar a vistoria.
A proposta da Companhia Caminho Aéreo Pão de Açúcar, a mesma que administra os bondinhos, pretende instalar quatro cabos de aço para a prática da tirolesa, entre o Pão de Açúcar e o Morro da Urca. Os cabos ficariam paralelos aos bondinhos.
De acordo com os administradores, a ideia é proporcionar uma experiência mais contemplativa aos frequentadores do parque.
O que diz o Pão de Açúcar
Veja a nota completa:
“O Parque Bondinho Pão de Açúcar informa que o projeto para a construção da tirolesa foi pensado e estruturado ao longo de dois anos e meio, tendo sido analisado e aprovado por todos os órgãos competentes: Instituto do Patrimônio Histórico Nacional e Artístico Nacional (IPHAN), Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Clima (SMAC), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico Inovação Simplificação (SMDEIS) e Fundação Instituto de Geotécnica do Município do Rio de Janeiro (Geo-Rio). Responsável por um dos cartões-postais mais famosos do mundo, o Parque Bondinho Pão de Açúcar orgulha-se da seriedade, da ética e do profissionalismo que norteiam a sua trajetória há mais de 110 anos. A empresa afirma que não poupará esforços para demonstrar, no curso do processo, que o projeto para a construção da tirolesa obteve todas as licenças necessárias e que foi concebido e executado sob as melhores práticas, destacando-se os cuidados em relação à preservação do meio ambiente e do patrimônio.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *