Nasceu no local, às 8h42 deste domingo, a pequena Ana Alice. A mãe da bebê, Giovana Cerqueira, de 19 anos, não estava abrigada e chegou ao ponto de apoio por volta das 7h30 para avisar a mãe, acolhida na Escola Paroquial, que estava sentindo dores.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Em meio à tragédia pela qual passa a cidade de Petrópolis, atingida por um temporal na terça-feira que provocou alagamentos, deslizamentos e já contabiliza 152 mortos, um sopro de alegria e esperança envolveu abrigados e voluntários que estão no ponto de apoio montado na Escola Paroquial Bom Jesus, no bairro Dr. Thouzet.

Menina e mãe foram levadas para hospital depois do parto e passam bem

Nasceu no local, às 8h42 deste domingo, a pequena Ana Alice. A mãe da bebê, Giovana Cerqueira, de 19 anos, não estava abrigada e chegou ao ponto de apoio por volta das 7h30 para avisar a mãe, acolhida na Escola Paroquial, que estava sentindo dores.

A equipe

A equipe do posto de saúde, que atuava no ponto, foi chamada e examinou Giovanna, que estava grávida de nove meses, de sua segunda filha. O parto foi feito pela enfermeira Tatiana Jardim Costa e pela médica Rita de Cassia Araújo.

– Eu e a mãe dela a colocamos no chão, e eu falei: ‘faz força’. Logo já vi a cabeça da bebê, e ela nasceu. Foi lindo – disse Tatiana Jardim Costa.

A diretora da escola, Renata Zacharsk, disse que o momento emocionou a todos no local.

– Ela estava tendo contrações fortes. Acionamos a Defesa Civil, que chamou a ambulância, mas não deu tempo. A bebê nasceu aqui mesmo. Foi a coisa mais emocionante que vi na vida. Ela não estava abrigada na escola, só a mãe dela. Foi um momento muito emocionante para todos aqui.

Após o parto, Giovana e Ana Alice foram levadas para o Hospital Alcides Carneiro, no bairro de Corrêas. As duas passam bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.