Jornal da Zona Sul e Zona Norte do Rio de Janeiro

Polícia faz operação para combater venda ilegal de gás na Região dos Lagos e na Zona Oeste do Rio

Ao todo, mais de 2 mil botijões foram apreendidos e 11 pessoas conduzidas à delegacia. Operação combate venda ilegal de gás em áreas dominadas pela milícia
A Polícia Militar fez uma operação, na manhã desta sexta-feira (14), para combater a venda ilegal de gás em áreas dominadas pela milícia. Ao todo, mais de 2 mil botijões foram apreendidos e 11 pessoas foram conduzidas à delegacia.
Agentes da Polícia Ambiental e da Agência Nacional do Petróleo fiscalizaram depósitos na Região dos Lagos e em comunidades da Zona Oeste do Rio.
Em Rio das Ostras, os policiais encontraram um bar vendendo botijões, o que é considerado uma prática ilegal, visto que o comércio de gás só pode ser feito por distribuidoras. O estabelecimento foi fechado e o dono foi levado para a delegacia para prestar esclarecimentos.
Na mesma região, os agentes encontraram um caminhão, sem documentação, comercializando botijões. O motorista também foi conduzido para a delegacia e o veículo foi apreendido.
Na comunidade do Tirol, os policiais do Serviço Reservado do Batalhão de Jacarepaguá descobriram que um outro bar vendia vários produtos. Entre eles, botijões de gás, dentro de um local fechado.
“O perigo não é só para eles que comercializam, mas também para os vizinhos. É uma área que não tem extintor de incêndio, não observa distâncias, o que configura um risco para os consumidores e moradores ao redor”, informou Márcio Ferreira, fiscal da Agência Nacional do Petróleo.
De acordo com a PM, toda a região é dominada pela milícia.
“É uma área dominada por milicianos, onde observamos e constatamos comércio de botijões de gás, entre outras atividades lucrativas para a milícia. Os comerciantes tinham que, de forma semanal, realizar atividades econômicas para pagarem essa milícia”, disse Leonardo Malheiros, tenente da Polícia Militar Ambiental.
Em Campo Grande, um depósito foi fechado porque não tinha documentação para comercializar os bujões.
A ação desta sexta-feira (14) é uma resposta à denúncias de moradores que sofrem com a venda ilegal de gás. De acordo com os relatos, o produto chega a custar R$ 30,00 mais caro em regiões dominadas pela milícia.
LEIA TAMBÉM:
Moradores dizem que criminosos impõem a ‘ditadura do gás’ em comunidades do Rio; Botijão chega a custar R$ 128
Segundo um morador de Rio das Pedras, os milicianos intimidam e ameaçam quem compra fora da favela.
“Se você pegar sua bicicleta e for comprar em outra comunidade, eles abordam você, te ameaçam, falam que tem que comprar na comunidade.”
A operação também reprimiu a venda ilegal na Região dos Lagos. Em Cabo Frio, um depósito acabou interditado por não ter licença para funcionar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *