Jornal da Zona Sul e Zona Norte do Rio de Janeiro

Polícia Civil prende falso médico no Centro do Rio de Janeiro

As investigações começaram há um mês, após denúncias anônimas. Os agentes fizeram um trabalho de inteligência e monitoramento e verificaram que o autor divulgava sua atividade profissional em uma rede social e que realizava procedimentos invasivos que necessitam de habilitação profissional especializada.

Por Redação, com ACS – de Rio de Janeiro

Policiais civis da Delegacia do Consumidor (Decon) prenderam em flagrante, na quinta-feira um falso médico que realizava procedimentos estéticos no apartamento em que morava, no Centro do Rio de Janeiro. No imóvel foi encontrada grande quantidade de seringas e agulhas para aplicação de substâncias injetáveis.

Polícia Civil prende falso médico no Centro do Rio

As investigações começaram há um mês, após denúncias anônimas. Os agentes fizeram um trabalho de inteligência e monitoramento e verificaram que o autor divulgava sua atividade profissional em uma rede social e que realizava procedimentos invasivos que necessitam de habilitação profissional especializada, como aplicação de toxina botulínica e preenchimento facial com ácido hialurônico.

Durante operação policial e vistoria no apartamento, o falso médico confirmou que fazia os procedimentos e confessou que possuía apenas um curso técnico de estética. No imóvel, os agentes encontraram ácido hialurônico, toxina botulínica, grande quantidade de anestésicos injetáveis e substâncias não identificadas.

Operação contra narcotraficantes

Agentes da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), de unidades do Departamento-Geral de Polícia Especializada (DGPE) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) desencadearam, na quinta-feira, uma operação para cumprir mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão na comunidade Parque das Missões e regiões próximas, localizadas em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Sete pessoas foram presas, três fuzis, uma pistola, carregadores, artefatos explosivos e drogas foram apreendidos.

Um dos presos é o traficante responsável pela parte financeira de áreas controladas por Fernandinho Beira-Mar. Outro criminoso detido é o chefe do tráfico de drogas de diversas comunidades de Duque de Caxias. Os agentes também prenderam um traficante considerado “braço de guerra” de Beira-Mar.

A ação desta quinta-feira é resultado de investigações da DRE referentes ao tráfico de drogas em comunidades de Duque de Caxias. Segundo os agentes, a região funciona como verdadeiro reduto de Fernandinho Beira-Mar, onde os criminosos utilizam armas de grosso calibre – como fuzis -, granadas e pistolas em disputas territoriais contra facções rivais e contra forças de segurança. Os narcotraficantes também são investigados pela prática de roubos de cargas e de veículos, que são revertidos ao tráfico de drogas.

Segundo os agentes, a comunidade Parque das Missões estava sendo utilizada como base operacional por uma das principais facções criminosas do Rio de Janeiro para planejamento e execução de roubos de cargas e de veículos. Além disso, a região vinha sendo usada como entreposto para distribuição de armas e drogas pela Baía de Guanabara.

Os policiais também descobriram que a facção realizava festas, especialmente bailes funks clandestinos, no Parque das Missões para obter retorno financeiro, especialmente com o aumento do volume de drogas comercializadas. A ação desta quinta-feira evitou, ainda, um confronto planejado contra organizações criminosas rivais da Zona Norte da capital do Rio.​

Revenda ilegal de gás de cozinha

Durante ação para reprimir a venda ilegal de gás de cozinha pela milícia, na quarta-feira, agentes da 35ª DP (Campo Grande) e militares fecharam dois depósitos clandestinos e prenderam em flagrante duas pessoas acusadas de crimes contra a ordem econômica e de milícia privada.

No primeiro local, as equipes localizaram 68 botijões de gás, sendo 26 cheios e 42 vazios. O material foi encontrado na comunidade Santa Margarida, em Campo Grande, na Zona Oeste. A proprietária do imóvel disse que o produto era adquirido de uma empresa de revenda de gás e que comercializava cerca de 10 botijões por semana.

Já na comunidade da Carobinha, também em Campo Grande, as equipes detiveram o proprietário de um depósito, onde eram armazenados 34 botijões de gás, sendo sete cheios e 27 vazios. O local já estava sendo investigado pelos agentes. Ao ser questionado, o dono do estabelecimento alegou que os recipientes seriam para “uso pessoal”.

Após a ação, a mulher e o homem foram encaminhados ao sistema prisional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *