Jornal da Zona Sul e Zona Norte do Rio de Janeiro

GRUPOS DE CORAL GANHAM ESPAÇO EM CONDOMÍNIOS

Muitos condomínios localizados na Barra da Tijuca vêm investindo na formação de grupos de canto entre os seus moradores. A atividade, que se intensificou com a chegada da pandemia, mobiliza pessoas de todas as idades que se apaixonaram pela arte de cantar, além de ser um excelente exercício de socialização que ajuda a harmonizar os relacionamentos entre os condôminos. O coordenador da Cipa Síndica, Bruno Gouveia, revela que os ensaios semanais ajudam a distensionar o isolamento provocado pela Covid-19, criando um ambiente de confraternização vital para toda a comunidade.

– Os participantes se envolvem de uma forma bastante intensa. São grupos bastante disciplinados, que aliam essa força lúdica da música com a integração de um canto feito em grupo, que requer uma troca entre todos. Acaba virando um exercício de socialização que reverte muito positivamente para o condomínio – explica Gouveia.

Muitos moradores, mesmo há décadas no mesmo edifício, mas que jamais tiveram contato com seus vizinhos, passaram a ter uma relação mais próxima com os demais. Esse estreitamento tem gerado laços de amizade entre alguns condôminos, proporcionando maior empatia interna entre todos.

O coral do condomínio Nova Ipanema, por exemplo, é comandado pelo maestro Eduardo Morelenbaum. O grupo, formado por 80 moradores de diversas faixas etárias, ensaia uma vez por semana. Eles contam ainda com acompanhamento de instrumentistas. Além de fazerem apresentações em datas como o Dia das Mães, já participaram, antes da pandemia, de festivais de música em Teresópolis, São João Del Rey e Juiz de Fora.

– Quando você trabalha música, exercita a concentração, a respiração, a voz, a postura e a respiração, por exemplo. São funções que ajudam na saúde das pessoas – diz Morelenbaum.

A existência de corais em diversos condomínios vinha gerando, antes da pandemia, encontros dos grupos. Além do Nova Ipanema, contam com corais, entre outros, o Novo Leblon, o Atlântico Sul, o Barramares e o Rio2.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *