A Delegacia de Combate a Corrupção e Lavagem de Dinheiro (DCC-LD) indiciou, nove pessoas por terem furado a fila de vacinação contra a covid-19 no Hospital Municipal Miguel Couto.

Por Redação, com ACS – de Rio de Janeiro

A Delegacia de Combate a Corrupção e Lavagem de Dinheiro (DCC-LD) indiciou, na terça-feira, nove pessoas por terem furado a fila de vacinação contra a covid-19 no Hospital Municipal Miguel Couto.

Polícia Civil indicia nove pessoas por falsidade ideológica e infração de medida sanitária por prática de ‘fura-fila’ da vacinação da covid-19

Os acusados são ex-funcionários da unidade, que utilizaram de seus crachás antigos para tomar o imunizante, e moradores da região, que declararam falsamente serem médicos do hospital para serem atendidos de forma prioritária.

De acordo com o titular da DCC-LD, delegado Thales Nogueira Braga, essa é apenas a primeira fase de uma investigação complexa que iniciou em fevereiro deste ano. Os agentes da delegacia cruzaram dados da lista de vacinados com a relação de servidores do hospital e cadastros de profissionais de saúde junto aos respectivos conselhos.

Vacinação

Na ocasião da vacinação, apenas os profissionais da própria unidade, que estivessem à frente do combate à pandemia do coronavírus e controle de acesso, tinham direito a receber o imunizante.

Em um primeiro momento, foram levantadas aproximadamente 200 situações suspeitas. Ao longo da investigação, diversas foram descartadas após os vacinados comprovarem que são terceirizados da unidade de saúde ou acadêmicos de medicina que atuam no local.

Os indiciados vão responder pelos crimes de falsidade ideológica, que prevê penas de reclusão de um a cinco anos e multa, e infração de medida sanitária, que tem penas de detenção de um mês a um ano, e multa.

Os inquéritos foram encaminhados ao Ministério Público.​

Receptação de telefone celular

Policiais civis da 62ª DP (Imbariê) prenderam em flagrante, na terça-feira, uma mulher pelo crime de receptação. Segundo os agentes, a autora estava com um celular roubado e que não soube dizer como adquiriu o telefone.

Ela foi capturada em Imbariê, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, após levantamento pelo setor de inteligência da 62ª DP. Após a ação, a mulher foi encaminhada ao sistema prisional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.