Deputado está preso desde fevereiro por vídeo com apologia ao AI-5 e destituição de ministros do STF, pautas inconstitucionais. Silveira depôs ao Conselho de Ética da Câmara nesta terça. O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) afirmou nesta terça-feira (18), em depoimento virtual ao Conselho de Ética da Câmara, que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) são “completamente parciais” e atuam como “vítimas, acusadores e julgadores”.
Silveira é alvo de um processo no conselho que pode levar à cassação do mandato do parlamentar.
Daniel Silveira foi preso em flagrante em fevereiro deste ano após ter divulgado um vídeo com apologia ao Ato Institucional 5 (AI-5), o mais repressivo da ditadura militar, e defesa da destituição de ministros do STF. As duas pautas são inconstitucionais.
A prisão do parlamentar, determinada por Alexandre de Moraes, foi referendada pelo plenário do Supremo e mantida pelo plenário da Câmara. Posteriormente, Moraes concedeu a prisão domiciliar ao parlamentar e determinou medidas cautelares.
“O que não é o caso em tela [imparcialidade de juízes], uma vez que o [ministro] Alexandre de Moraes tanto quanto os ministros do STF são vítimas, acusadores e julgadores, ou seja, não são imparciais, são completamente parciais, o que é um perigo, já dizia o saudoso e minha referência jurídica Rui Barbosa, que a pior ditadura é a do Judiciário pois contra ela não há a quem recorrer”, disse Silveira.
Nesta terça-feira, ele falou ao colegiado pela primeira vez como depoente. Em sua fala, disse que “o cidadão comum” vai pensar que “não pode criticar nenhum tipo de ministro do STF.”
“Quem são eles [os ministros] para calarem a sociedade ou colocarem o adubo do medo ou também uma mordaça social em cima de uma coisa chamada liberdade de expressão, que é direito inalienável, imprescritível e inarredável em qualquer país que viva em plena democracia? O que me leva a crer que não temos de fato uma democracia, mas uma democracia somente no papel, somente a quem convém”, disse.
Silveira foi questionado pelo relator do processo no conselho, deputado Fernando Rodolfo (PL-PE), se faria novamente o vídeo que levou a sua prisão, e respondeu que talvez “revisse alguns adjetivos”. O deputado, então, foi perguntado sobre quais termos retiraria.
“Acho que os palavrões, tem muitas pessoas que acompanham meu trabalho que são senhoras de idade, talvez isso as tenha decepcionado, talvez tirado um pouco a credibilidade das palavras”, disse. “Tem ouvidos que são muito sensíveis, talvez eu tiraria isso. Utilizaria uma linguagem mais jurídica. Mas se for relativizar a vaidade que foi movida essa prisão, talvez eles não aceitassem sequer os argumentos jurídicos.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.