Jornal de Bairros – Zona Sul e Grande Tijuca

SEXUALIDADE – COMO É O AMOR NO SEXO?

Vi um programa no GNT que a apresentadora falava de uma expressão dela: amor mamífero. Seria o amor de aconchego, de dormir juntos para aproveitar o calor. Não é um amor de eu digo que te amo e você se responsabiliza pelas minhas emoções. Parece que esse tipo de amor anda em falta no mercado popular. A partir daí, vemos as célebres cenas: um bonitão se aproxima da bonitona, com os braços em cima, analisando a caça. Ela sem forças contra seu temível predador, e as vezes nem querendo evitar, se entrega para o bote final e é hora de aproveitar o tempo perdido, que eu bem diria, nem encontrado.

O que percebo é que perdemos o hábito de nos abraçar, de nos preocuparmos com os outros, de amarmos de uma forma genuína. Eu te amo não porque você me dá algo em troca, mas porque eu sou capaz de me transformar na sua presença. É justamente disso que se reclama: “Onde estão as pessoas para amar, capazes de me amar?” Elas estão por ai, experimentando. Querem coisas novas mas buscam a originalidade naquilo que deixou de ser original. Claro, óbvio e evidente que também há a chance de mudar e para isso há um ditado que diz: se quer aquilo que nunca teve, faça aquilo que nunca fez.

Estamos numa cilada: Juramos que queremos um relacionamento sério, mas marcas impresas não permitem que se encare de frente tanto a si quanto ao outro. Quantas pessoas bacanas deixou passar por simplesmente não acreditar, pelo medo de se entregar? A garantia do relacionamento é a garantia de troca, caso esteja insatisfeito com a escolha. Mas troca-se de pessoas, de sentimentos, de expectativas?

Todo mundo procura por ser cuidado, por uma relação. Então porque será que é difícil de encontrar? Será que deixamos de acreditar nas pessoas e acreditamos no sexo porque podemos chegar ao nosso próprio prazer com ele? Será que estamos transformando o sexo em uma masturbação coletiva e dentro da nossa individualidade não queremos dividir esse prazer com mais ninguém? Dra. Ana Paula Veiga | Sexóloga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *