Jornal de Bairros – Zona Sul e Grande Tijuca

ECOLOGIA – POR DIA, 180 MIL TONELADAS DE LIXO CONTAMINAM O SOLO, DESTACA ESPECIALISTA

O não tratamento do chorume, gerado pelo depósito de resíduos, é um dos grandes causadores de contaminação de lençóis freáticos e de proliferação de doenças como a diarreia. Para o engenheiro civil e fundador da FRAL Consultoria, Francisco Oliveira, é possível reverter este cenário. “A questão é cultural porque conhecimento técnico existe, e o custo disso não chega a R$ 20 por habitante ao ano. É preciso dar atenção especial e urgente a este assunto, que é básico para a sociedade. Ao melhorar as condições sanitárias, a mortalidade infantil reduz drasticamente”, ressaltou durante o seminário “Água Subterrânea: Mitos e Verdades sobre seu Uso”, realizado em abril, na sede da FIESP, em São Paulo.

Os números refletem a origem do problema. Segundo levantamento da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), atualmente, 214,8 mil toneladas de resíduos são geradas por dia no Brasil. Porém, 41,6% do lixo coletado é destinado irregularmente e, dos aterros para os quais o restante é direcionado, somente 15% têm tratamento de chorume. “Isso quer dizer que, aproximadamente, 180 mil toneladas de lixo geram o contaminante diariamente. É uma situação grave e que já deveria ter sido extinta”, diz Francisco, ao se referir sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que previa a erradicação dos lixões em 2014 – data postergada para 2021. Atualmente, há quase 3 mil depósitos desse tipo.

De acordo com o fundador da FRAL Consultoria, a questão vai ainda além da criação de aterros sanitários, sendo preciso uma destinação adequada para o líquido tóxico resultante dos resíduos. Para isso, podem ser aplicadas uma das cinco formas de diminuir sua contaminação no solo: “Primeiramente, reduzir drasticamente as infiltrações de águas pluviais por meio de uma permanente cobertura dos resíduos e um bom manejo das águas; tratar os lixiviados por transferência, processos físico-químicos, biológicos, filtração por membrana e por evaporação.

“O método de tratamento está diretamente ligado ao tipo de resíduo, não havendo uma fórmula pronta e que pode ser aplicada para cada situação. Mas o que não pode ocorrer, em hipótese alguma, é o que vemos nos chamados aterros controlados, é uma simples cobertura de terra após o despejo do material, mas o solo não é impermeabilizado adequadamente e não há sistema de tratamento. Precisamos ficar atentos e cobrar soluções ao Poder Público”, conclui.

Sobre a FRAL Consultoria Ltda. A FRAL Consultoria foi fundada em 1999 pelo Engenheiro Civil e mestre em geotecnia, Francisco José Pereira de Oliveira. Atualmente, é presidida pelo Mestre em Sustentabilidade, Rodrigo Oliveira, e atua no desenvolvimento de projetos nas áreas de Engenharia Civil e Meio Ambiente. A empresa é especializada em resíduos sólidos, recursos hídricos e geotecnia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *