Jornal Com Distribuição Mensal nas Zonas Norte (Tijuca - Vila Isabel - Grajaú - Andaraí) e Sul (Botafogo - Urca - Humaitá) do Rio de Janeiro
 
 
 home / página incial
 siga o correio carioca no twitter
 correio carioca no facebook
 
PSICOLOGIA - TELÃO PSI

“Como nossos pais”

O filme Brasileiro chegou às telas ganhando prêmios no Festival de Gramado nesse ano e trazendo muitos temas ricos e polêmicos para o debate. Na sua aberturaa primeira cena onde aparece uma família comum reunida para um almoço, a familiaridade e simplicidade da mesma já pode causar muitas reações e reflexões. É. Talvez seja a sensação de ser a voz de muitas famílias querendo comunicar esses não ditos do dia dia. Essas nossasdiferenças e semelhanças em um carrocel de possibilidades, vivas em forma de personagens tão profundos.


Rosa é a heroína do filme, mulher, mãe, filha,amiga, etc , mas está atenta ao crescimento e constante aprendizado que esses papéis podem lhe proporcionar. Corajosamenteproblematiza a qualidade da relação com seu marido que dura mais de dez anos. O desenrolar desta história ganha tônus quando recebe uma informação da mãesobre sua infância, que lhe deixa impactada, porém funciona como mola propulsora para novas compreensões acerca de si mesma e novas atitudes diante da vida.


Os atores estão impecáveis, o roteiro é belíssimo,mas senti falta da música embalando cenas importantes da trama, lhe deixando às vezes com a realidade mais causticante, e assim mais dolorida.


“Minha dor é perceber, que apesar de termos feito tudo o que fizemos. Ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.

Claro que este filme não é só sobre a Rosa, mas sobre todos nós que já sabemos que podemos repetir modelos de antes, mas também podemos mudá-los se assim desejarmos.







 
 
« veja matérias sobre o Rio de Janeiro, Esportes, Turismo, Saúde entre outros temas.
 
 
 
 
© Correio Carioca   -   Expediente   -   Política de Privacidade   -   Anuncie   -  Fale Conosco