Jornal Com Distribuição Mensal nas Zonas Norte (Tijuca - Vila Isabel - Grajaú - Andaraí) e Sul (Botafogo - Urca - Humaitá) do Rio de Janeiro
 
 
 home / página incial
 siga o correio carioca no twitter
 correio carioca no facebook
 
Cuzco: Viagem Fantástica À Terra dos Incas

Cuzco, a antiga capital do povo inca, permanece fiel aos costumes e hábitos de outrora, com seus antigos edifícios e templos muito bem preservados, sua música e sua exótica culinária que nos conduzem imaginariamente à época do auge do império

Cuzco, a antiga capital dos incas está localizada no centro do Peru, a 3400 metros acima do nível do mar. Muitos dos costumes e das tradições da antiga civilização ainda podem ser vistos pelas ruas da cidade. É comum escutar as pessoas conversarem em Quéchua, idioma dos incas, e ver as mães carregarem seus filhos nas costas.

O nome da cidade de 300 mil habitantes quer dizer umbigo em Quéchua e era o centro de um império de valorosos e exímios construtores e astrônomos que em poucos séculos dominou quase toda Cordilheira dos Andes, estendendo-se da Colômbia ao norte da Argentina.

É impressionante notar o esmero e a capacidade dos Incas na construção de casas, edifícios e palácios. Até hoje, cerca de 500 anos depois da queda do império, é impossível introduzir um cartão de banco entre os blocos de pedras das edificações. E não são simples pedrinhas, estamos falando de gigantescos blocos pesando muitas toneladas cada. Além disso, apesar de estarem localizadas em áreas de grandes concentrações de abalos sísmicos, as construções continuam de pé e pouco avariadas.

Toda região de Cuzco possui muitas ruínas Incas. Em todas elas é possível verificar o sistema de canalização construído pelos Incas. Até hoje a água corre pelos dutos, o que nos transporta imaginariamente à época do apogeu do império.

Para realizar os passeios pela cidade, pelas ruínas incas e para Machu Picchu, o visitante deve buscar orientação no hotel e jamais comprar pacotes turísticos com vendedores que ficam oferecendo esses serviços pelas ruas. O ideal é que o turista procure as agências que existem em Cuzco, principalmente no centro.

Muitos turistas sentem-se mal com a altitude de Cuzco e dos pontos turísticos que ficam ao redor de cidade. Alguns sentem tonturas e dores de cabeça, outros ficam com falta de ar. O ideal é procurar um médico antes de realizar a viagem.

Há várias atrações belíssimas dentro da cidade de Cuzco, mas merecem destaque a catedral da cidade, que possui enorme quantidade de ouro e construção colonial e está localizada na Praça de Armas e as ruínas incas de Korikancha. Na verdade, essa atração inca reserva uma surpresa, pois no mesmo espaço foi erguido o convento espanhol de Santo Domingo. Os europeus destruíram parcialmente a construção original e construíram sobre o que restou. Fica bastante nítido para o visitante observar as duas estruturas distintas.  É muito interessante notar, de dentro e de fora do edifício, a diferença entre as tecnologias das duas civilizações.

A poucos quilômetros da antiga capital inca há inúmeras ruínas bem preservadas. Sacsayhuaman, que quer dizer “falcão satisfeito”, fica bem próximo de Cuzco e é um sítio arqueológico gigantesco. Sua construção tem um formato de raio e, segundo dizem os supersticiosos, basta que se aproxime as duas mãos nas paredes da estrutura para que o corpo fique energizado. É interessante notar que no meio do prédio os incas montaram com enormes pedras a pata de um puma e também uma lhama. Esses animais eram sagrados e importantes, juntamente com a serpente e o condor, para a antiga civilização. Há um mirante para Cuzco no local.

Perto das ruínas de Sacsayhuaman está localizada Tambomachay, conhecida como “banheiro dos incas”, por possuir inúmeras fontes que jorram água até os dias de hoje. A altitude de 3.800 metros pode ser um problema para muitos turistas.

Outra atração imperdível para quem vai a Cuzco é o passeio pelo Vale Sagrado dos Incas. As vistas são deslumbrantes e as ruínas impressionantes. O ônibus realiza o trajeto para chegar às construções serpenteando pelas cordilheiras, com vulcões e picos nevados deixando os turistas boquiabertos. O rio Urubamba corre por toda extensão do vale.
A antiga cidade de Písac impressiona. A localidade está bem preservada e os campos de agricultura demostram a engenhosidade inca. Como os espaços para o plantio eram muito restritos, o antigo povo construiu degraus, aumentando a área destinada à plantação e ainda evitando desmoronamentos de terra. Essa área de agricultura tem centenas de metros de altura.

Outro importante centro inca no Vale Sagrado é Ollantaytambo. A enorme quantidade de degraus existentes nesse sítio pode desencorajar muitos turistas. Mas mesmo observado e admirado da parte baixa impressiona. Há inúmeras fontes, bem projetados canais para distribuição de água por toda cidade e um enorme silo construído na encosta de uma montanha vizinha. Há também um rosto esculpido na face dessa mesma montanha, chamado de “mensageiro”.

A entrada em todas as ruínas e construções é paga. O turista pode efetuar o pagamento de duas maneiras: diretamente nos locais ou comprando o boleto turístico previamente nas agências de turismo. Essa segunda opção é muito mais interessante, pois acaba tornando as entradas muito mais baratas.

 
 
« veja matérias sobre o Rio de Janeiro, Esportes, Turismo, Saúde entre outros temas.
 
 
 
 
© Correio Carioca   -   Expediente   -   Política de Privacidade   -   Anuncie   -  Fale Conosco