Jornal Com Distribuição Mensal nas Zonas Norte (Tijuca - Vila Isabel - Grajaú - Andaraí) e Sul (Botafogo - Urca - Humaitá) do Rio de Janeiro
 
 home / página incial
 siga o correio carioca no twitter
 correio carioca no facebook
 
Memória do Esporte: Jogo de Botão

Ao longo das décadas existiram muitos estilos e jogos diferentes envolvendo botões.

Para os amantes do jogo que se envolveram em simples disputas ou em acirrados campeonatos nos anos 1970 e 80, os modelos de galalite e de madrepérola tinham grande destaque e eram alvos de compras e trocas eternas.

Antes das partidas, os jogadores envolviam suas preciosas joias, os botões, em uma série de procedimentos que faziam lembrar a preparação de jogadores de futebol antes de grandes clássicos. Os preparativos começavam com uma esmerada arrumação nos recipientes que guardavam os botões, que podiam ser estojos, caixas, latas ou flanelas. Depois, os donos das peças passavam talco e também cera nos botões, para que os mesmos pudessem deslizar suavemente pela mesa de jogo. Muitos optavam pela “bola” dadinho, que realmente era um dado numérico. Apesar de quadrado, servia perfeitamente para o jogo de botão.

Os modelos mais procurados tinham enormes bainhas, podendo ser de galalite ou de madrepérola. Os lindos botões de galalite tinham uma infinidade de modelos, podendo ser de clubes ou somente com bolas ao centro, chamadas à época de bolas de ouro. Atualmente, esses botões de galalite e de madrepérola são raros, muito valorizados e valem um bom dinheiro.

Hoje, alguns saudosistas ainda mantêm viva a chama do botonismo clássico dos anos 1970 e 80.

 

 



/>                                

 

 
 
 
 
 
 
 
© Correio Carioca   -   Expediente   -   Política de Privacidade   -   Anuncie   -  Fale Conosco