Jornal Com Distribuição Mensal nas Zonas Norte (Tijuca - Vila Isabel - Grajaú - Andaraí) e Sul (Botafogo - Urca - Humaitá) do Rio de Janeiro
 
 
 home / página incial
 siga o correio carioca no twitter
 correio carioca no facebook
 
Futebol: A Importância da Garotada

Enquanto houver um coração infantil, o Vasco será imortal! Craque o Flamengo faz em casa! Os lemas são bonitos, verdadeiros, mas ultimamente não parecem estar sendo seguidos a risca. Investir nas categorias de base é fundamental no futebol, principalmente no brasileiro. E alguns clubes parecem não estar fazendo isso da maneira correta. O resultado é a crise no banco e no time profissional.

Parece complicado, mas é simples. Neymar e Messi, por exemplo, foram crianças, passaram por divisões de base, foram trabalhados para serem o que são hoje: craques que valem milhões.

Quem gera seus próprios craques fortalece seu time profissional quando os meninos virarem homens, sem gastar milhões para isso, pelo contrário, ganharão os mesmos milhões quando esses forem vendidos para grandes clubes europeus. Quem não faz o trabalho de base direito não terá no futuro um time profissional com craques, mas com jogadores limitados tecnicamente ou terá que os dispensar, obtendo certo prejuízo.

Não é à toa que o Barcelona comanda o futebol mundial. De acordo com o ex-técnico Guardiola, que ficou à frente da equipe, o segredo foi o investimento na base no passado, que revelou ninguém menos do que Messi, o maior jogador do mundo pelo terceiro ano consecutivo. O clube tem olheiros e escolinhas espalhadas por vários países, inclusive o Brasil, que levam as principais promessas para a Espanha para testes e “lapidações” visando gerar outros Messi.

Mas o Barcelona não é o único. O Milan, da Itália, também possui núcleos espalhados pelo Brasil, pois sabe que os meninos são o futuro e, se “cultivados” e tratados, dão frutos melhores e mais baratos. Ambos estão “roubando” a garoada dos grandes que não fazem bem seu trabalho de base.

Enquanto os clubes perdem tempo e dinheiro, espertos empresários se aproveitam da lei e criam clubes onde colocam seus “produtos” para serem expostos, como numa vitrine. Ou então, usam vitrines ainda mais poderosas, que são os clubes que precisam de sues jogadores. E quando esses clubes estão mal administrados e carentes de bons jogadores, se submetem a ganhar pouco para exporem os atletas de terceiros, os empresários, que enriquecem às custas de grandes clubes. Não são bandidos, são apenas investidores. O problema é que se os clubes fizessem um bom trabalho, não necessitariam disso e seriam seus próprios atletas eu estariam expostos nessa grande vitrine, sendo clube e atleta os únicos beneficiados. Sem terceiros. Clubes cada vez maiores. Afinal, se os empresários conseguem fazer um bom trabalho, se os Europeus vem aqui pegar nossos garotos, é porque é possível se fazer o trabalho direito. E cá entre nós, não é possível que em pleno século XXI, um negócio tão lucrativo como o futebol possa dar prejuízo para clubes com marcas tão fortes.

O Vasco da Gama, até pela sua crise financeira e guerra política, talvez seja o clube que está em pior situação. Viu seu antigo Diretor de Futebol Rodrigo Caetano reclamar da base e até tentar resolver o problema, mas sem sucesso. A política do clube não permitiu que se profissionalizasse esse área tão importante e parece que ele estava certo, pois no estadual de juniores passado o clube não ficou sequer entre os sés primeiros. Este ano foi eliminado da tradicional Copa São Paulo com uma derrota de 5 a 1 para o Goiás e nos últimos anos tem revelado poucos atletas de alto nível. O Flamengo também deixa a desejar. Diante de tantas guerras políticas, pelo segundo ano consecutivo foi eliminado da Copa São Paulo na primeira fase e também parece não conseguir emplacar grandes jogadores no time profissional.

O Botafogo e o Fluminense são clubes que poderiam render mais nesse quesito também. Ambos, assim como Vasco da Gama, foram eliminados também precocemente na Copa São Paulo e até revelam jogadores, mas em quantidade menor do que poderiam. O Fluminense tem o orgulho de ter em Xerém o centro de treinamento das divisões de base, sem dúvida um passo a mais do que os demais cariocas, mas só isso não basta e o time continua devendo a revelação de um grande craque, como sua torcida merece.

Em resumo, o investimento sério na base é fundamental e os clubes cariocas estão deixando a desejar. No futebol moderno e profissionalizado só os mais fortes e bem administrados fazem sucesso e revelar grandes atletas é parte desse processo. O investimento de hoje corresponde aos títulos de amanhã.

 

 







 
 
« veja matérias sobre o Rio de Janeiro, Esportes, Turismo, Saúde entre outros temas.
 
 
 
 
© Correio Carioca   -   Expediente   -   Política de Privacidade   -   Anuncie   -  Fale Conosco