Jornal Com Distribuição Mensal nas Zonas Norte (Tijuca - Vila Isabel - Grajaú - Andaraí) e Sul (Botafogo - Urca - Humaitá) do Rio de Janeiro
 
 
 
 home / página incial
 siga o correio carioca no twitter
 correio carioca no facebook
 
Floresta da Tijuca: Uma Floresta Encantada

No coração da cidade do Rio de Janeiro, Floresta da Tijuca apresenta excelentes opções de lazer, como churrasqueiras, trilhas e áreas para recreação infantil, além de ser o “pulmão” da região e fundamental ponto de equilíbrio climático do município.

Quem procura um local para fazer caminhadas, subir trilhas, respirar ar puro, gozar um pouco da natureza e desfrutar de belas paisagens naturais, encontrará na Floresta da Tijuca, que é integrante do Parque Nacional da Tijuca, todas essas maravilhas reunidas em um só lugar.


Açude da Solidão


O nome Tijuca é originário do idioma indígena e significa caminho ruim, mas hoje em dia a Floresta é cortada por estradas pavimentadas, possui vários estacionamentos para automóveis e também boa sinalização visando a orientação de seus inúmeros visitantes.

A Floresta da Tijuca, pela sua grande extensão, é considerada uma das maiores áreas verdes urbanas do nosso planeta. É dito que, após a queda econômica do café, o primeiro administrador da Floresta, Major Archer, iniciou seu reflorestamento com a participação de seis escravos, por volta dos anos de 1860. Foram plantadas então mudas de plantas nativas da mata Atlântica.  A floresta é muito importante na preservação do equilíbrio climático da cidade do Rio de Janeiro. Dentre as principais atrações do local o visitante encontrará várias cascatas, sendo a principal a exuberante cascatinha Taunay. Poderão ser visitados também outros pontos encantadores como o Lago das Fadas, o Açude da Solidão que possui em suas águas grande quantidade de peixes, o Mirante do Excelsior, além das diversas trilhas existentes para serem percorridas.

Dificilmente o visitante encontrará os animais silvestres que habitam a floresta, isto porque eles se refugiam e se protegem de qualquer contato com seres humanos. Mesmo assim, quatis, micos e outros mamíferos podem ocasionalmente ser vistos. Também animais noctívagos residem na floresta, mas, como está fechada à noite para visitação, não poderão ser apreciados.

O Pico da Tijuca, com seus 1.022 metros de altitude, é o ponto mais alto do parque e é bastante procurado por quem gosta de caminhadas e aventura, e reserva para o visitante uma grande surpresa, que se constitui em uma vista panorâmica indescritível.

É interessante também fazer uma pausa para  conhecer a pitoresca capelinha cor de rosa, que surge logo à frente de quem sobe a floresta, passagem obrigatória para seus visitantes. Trata-se da famosa, pitoresca e histórica Capela Mayrink, bem preservada em razão de sua ótima conservação.

Grutas como a Paulo e Virgínia, furnas, córregos de águas límpidas e transparentes, além de muita vegetação, são belezas naturais que também deverão merecer a atenção e a apreciação de todos.


Cascatinha


Mas a Floresta também oferece para quem a procura muitas opções de lazer e prática de esporte. Uma ciclovia bem cuidada, brinquedos para a criançada, espaços com churrasqueiras e mesas com bancos de cimento, estão à disposição de todos.
Há ainda um bem equipado Centro de Visitantes onde a atenção e a cortesia são características de seus funcionários. Lá, o interessado obterá todas as informações que desejar, além de conhecer uma exposição permanente que apresenta o parque com sua trajetória histórica. Contará também o visitante com uma biblioteca especializada em meio ambiente, além de um aconchegante auditório, sala de vídeo, sanitários e bebedouros.

O Centro de Visitantes localizado no interior da floresta, funciona diariamente das 9 às 17 horas.

Para preservação e proteção da flora e da fauna dessa dádiva da natureza, que é a Floresta da Tijuca, alguns cuidados deverão ser adotados e cumpridos pelos visitantes, como não fazer fogueiras, não atirar pontas de cigarro, não soltar balões ainda que fora da Floresta, evitando o risco deles caírem em sua vegetação, não retirar plantas, pedras, não molestar os animais nem alimentar os bichos silvestres, não levar à floresta animais domésticos, não banhar-se em locais proibidos e evitar beber água dos rios e córregos e, finalmente, não se utilizar nem construir atalhos, percorrendo somente as trilhas existentes com sinalização.


 
 
« veja matérias sobre o Rio de Janeiro, Esportes, Turismo, Saúde entre outros temas.
 
 
 
 
© Correio Carioca   -   Expediente   -   Política de Privacidade   -   Anuncie   -  Fale Conosco