Jornal Com Distribuição Mensal nas Zonas Norte (Tijuca - Vila Isabel - Grajaú - Andaraí) e Sul (Botafogo - Urca - Humaitá) do Rio de Janeiro
 
 
 home / página incial
 siga o correio carioca no twitter
 correio carioca no facebook
 
Feira de São Cristovão: Diversão Garantida

Centro Municipal Luiz Gonzaga, a popular Feira dos Nordestinos de São Cristóvão, é certeza de cultura, culinária e músicas típicas do Nordeste

Em São Cristóvão, um antigo pavilhão outrora abandonado foi transformado em um dos locais de maior movimento e agitação da Zona Norte do Rio. A Feira de São Cristóvão é visitada por milhares de pessoas a cada final de semana.

A antiga estrutura foi erguida no final dos anos 1950 e ali funcionava, no período pré-feira, a Exposição de Indústria e Comércio. Anos depois o pavilhão foi abandonado e assim ficou por muito tempo. Muitos trabalhadores imigrantes do Nordeste chegavam a São Cristóvão e no bairro se estabeleciam e começaram a desenvolver o comércio com artigos típicos de sua região. Ao longo do tempo a feira nordestina cresceu e se desenvolveu ao redor do pavilhão quando, há 10 anos, a atração foi alterada para a parte interna.

Logo na entrada o visitante encontra uma estátua do artista que deu nome ao Centro. Luiz Gonzaga, o falecido cantor nordestino que se imortalizou através de suas composições e interpretações, sempre com sua sanfona e forma característica de se apresentar.

As principais atrações da Feira de São Cristóvão são: comidas características da região, produtos e músicas típicas, apresentação de shows, dança de forró e outros ritmos, gente simpática e principalmente um clima nordestino que paira em todo o ambiente.

Em entrevista, o diretor cultural do Centro, Carlos Barabá, acolheu as indagações e forneceu explicações sobre o funcionamento da feira. Barabá informou que o visitante pode contar com diversos restaurantes que servem deliciosos pratos típicos, além de poder comprar nas cerca de 600 barracas produtos dos estados nordestinos. Os estabelecimentos oferecem: carnes seca e de sol, farinhas diversas, manteiga de garrafa, bebidas, queijos e doces. Merece destaque o Guaraná Jesus, de cor rósea, fabricado exclusivamente no Maranhão, muito popular naquele estado, além de um refrigerante de caju, também com sabor muito peculiar. Na Feira também são encontrados artigos de artesanato, roupas, CDs, e uma variedade de produtos característicos. O Centro conta com estacionamento que pode abrigar aproximadamente 800 carros.

A apresentação de números musicais música merece especial destaque na Feira, tendo sido destinados para esse fim vários locais, cujos nomes homenageiam figuras ilustres nordestinas: pracinhas Câmara Cascudo, Padre Cícero, Frei Damião e Mestre Vitalino. Há ainda para a mesma finalidade, a praça do Repentista e dois palcos que ganharam os nomes de Jackson do Pandeiro e João do Vale.

A Feira tem os seguintes dias e horários de funcionamento: de terça a quinta, das 10 às 18 h, e nos fins de semana as atividades começam às 10h de sexta-feira e só terminam às 23 h de domingo, ininterruptamente. O ingresso, nos fins de semana, custam R$ 3,00 e nos demais dias é gratuito. Em dias de shows o preço é mais caro.

 

 


 

 
 
« veja matérias sobre o Rio de Janeiro, Esportes, Turismo, Saúde entre outros temas.
 
 
 
 
© Correio Carioca   -   Expediente   -   Política de Privacidade   -   Anuncie   -  Fale Conosco