Jornal Com Distribuição Mensal nas Zonas Norte (Tijuca - Vila Isabel - Grajaú - Andaraí) e Sul (Botafogo - Urca - Humaitá) do Rio de Janeiro
 
 
 home / página incial
 siga o correio carioca no twitter
 correio carioca no facebook
 
Congonhas de Aleijadinho

Histórica cidade do estado de Minas Gerais conserva maravilhosas obras do famoso artista, além de arquitetura e tradições do Brasil colonial dos séculos XVII e XVIII

Numa época em que o Brasil era somente uma colônia de Portugal e os primeiros manifestos de revolta contra os abusos da coroa portuguesa começavam a ganhar voz nas cidades mineiras, artistas eternizavam seus talentos em igrejas e em outras construções barrocas.


Paixão de Cristo, obra de Aleijadinho


Às margens da rodovia BR 040 (Rio-Belo Horizonte) Congonhas nos transporta imaginariamente ao período colonial brasileiro. Obras arquitetônicas da época permanecem em perfeito estado de conservação. Porém, nada chama mais atenção do que os profetas esculpidos em pedra sabão e a via sacra, realizações de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho.

O município faz parte do roteiro das cidades históricas de Minas, que compreende ainda Ouro Preto, Mariana, Tiradentes, São João Del Rei e Sabará. No entanto, a importância das obras do artista em Congonhas é tão grande que mesmo que o turista vá visitar as outras importantes cidades históricas, deve reservar pelo menos um dia para conhecer as belezas da Cidade dos Profetas.

A cidade, reconhecida como patrimônio da humanidade e detentora de grande fama, ostenta em suas principais relíquias a assinatura de Aleijadinho. O artista, que apesar de ter realizado trabalhos em Congonhas e em outras cidades mineiras, nasceu em Ouro Preto no início do século 18.

A Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, que pode ser vista da rodovia BR 040, está localizada na parte alta da cidade e engloba conjunto barroco dividido em três partes:

Em primeiro lugar a própria igreja Basílica, que teve sua construção iniciada em 1757, possui entalhes, um relicário feito por Aleijadinho e uma imagem do Bom Jesus, na capela mor. No teto existe uma pintura que é considerada a primeira do Brasil em estilo Rococó.


Paixão de Cristo, obra de Aleijadinho


Logo nas escadarias de entrada da Basílica o visitante encontrará a segunda parte do conjunto, que compreende as imagens de doze profetas, em tamanho natural, esculpidos em pedra sabão e que impressionam pela riqueza de detalhes e inscrições que algumas delas revelam. São os seguintes: Daniel, Isaías, Jonas, Amós, Abdias, Baruc, Oséas, Ezequiel, Jeremias, Joel, Naum e Habacuc.

Finalizando a série encontramos as capelas dos passos com cenas da Paixão de Cristo: primeiro passo - a ceia, segundo passo - o horto, terceiro passo - a prisão, quarto passo - a flagelação, quinto passo - a subida ao calvário e sexto passo - a crucificação. Dentro dessas capelas existem 64 imagens em tamanho natural, esculpidas em cedro. Essas imagens, vistas de perto, emocionam os turistas pela sua perfeição, e aguçam ainda mais a curiosidade sobre a forma de como foram construídas aquelas imagens, numa época sem grandes recursos, por alguém que era deficiente físico. Manuel Lisboa sofria de doença degenerativa que acabou lhe deformando o rosto e fazendo com que perdesse quase todos os dedos das mãos e todos os dos pés.

Os eventos principais da cidade são, na Semana Santa, a encenação da Paixão de Cristo no adro da Basílica e o jubileu do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, que é realizado desde 1770 de 7 a 14 de setembro. Outra Igreja a ser visitada é a Matriz de Nossa Senhora da Conceição situada na praça cuja porta também foi esculpida por Aleijadinho.

Os turistas têm ainda a opção de visita a dois museus, o da Romaria e o da Imagem e Memória, que abrigam fotos e objetos que relatam a história da cidade, destacando-se em seu acervo referências ao médium Zé Arigó.

 

 

 



 
 
« veja matérias sobre o Rio de Janeiro, Esportes, Turismo, Saúde entre outros temas.
 
 
 
 
© Correio Carioca   -   Expediente   -   Política de Privacidade   -   Anuncie   -  Fale Conosco